Leonardo Mattos

Leonardo Mattos é pai de trigêmeos. Bacharel em Economia pela PUC-Minas nasceu em Belo Horizonte e iniciou sua militância política ainda jovem. Aos 22 anos, em virtude de um acidente de carro, ficou paraplégico. Percebendo a falta de prioridade do poder público para políticas voltadas às pessoas com deficiência, fundou, junto a companheiros de reabilitação e do saudoso João Batista de Oliveira, a Associação Mineira de Paraplégicos (AMP) com o objetivo de lutar pelos direitos do segmento.

Filiado ao Partido Verde há mais de 20 anos, começou a vida parlamentar em 1996, sendo o primeiro vereador eleito pelo PV em Belo Horizonte. Em 2002, durante o segundo mandato na Câmara Municipal, foi eleito deputado federal – o primeiro deputado federal do PV em Minas Gerais e o primeiro militante do movimento em defesa das pessoas com deficiência na Câmara Federal.

Em outubro de 2008, Leonardo Mattos voltou à CMBH pela terceira vez para exercer o mandato de vereador. Em 2012, Leonardo Mattos foi reeleito, pela quarta vez, para a 17ª Legislatura da Câmara Municipal Belo Horizonte com 6.105 votos.

Leonardo Mattos continua fiel às suas origens na defesa dos direitos das pessoas com deficiência e minorias, na luta da preservação ambiental e pela construção de uma cidade mais justa e solidária.

Comentários

  1. Anonimo

    Projetos de lei que visam inclusão e igualdade.
    Projeto 01: Inclusão dietética
    Todos os estabelecimentos que trabalham com alimentos, sejam prontos ou ingredientes (restaurantes, mercados etc) devem ter em proporção igual ao número de ovolactovegetarianos, lacto vegetarianos e veganos a opção de produtos de acordo com censo nacional. Por exemplo se há 30% de ovolacto e 5% de veganos, uma pizzaria que possui 100 sabores deve ter 30 ovolacto e 5 veganos, caso seja 10 sabores 3 ovolacto e 01 vegano, para mercados deve-se aplicar por sessão (panificação, iogurtes, chocolates etc). Porque creio que isso será importante além da inclusão e opção dietética de uma dieta baseada em alimentos que consomem menos água, estimulará o comércio e setor de gastronomia bem como industrias com novos produtos gerando renda e empregos.

    Projeto 02: Inclusão
    Baseado no mesmo projeto acima, aplicá-lo aos demais produtos (desodorantes, detergente, maquiagem etc)
    Projeto 03: Informação
    Todos os produtos deverão ter de forma lúdica através de desenhos a informação se o mesmo possui componentes de origem animal e se são testados. Sugiro um concurso entre artistas para criar os logos informativos. A classificação deve seguir:
    Testado ou não testado
    Vegetariano – se não possui nenhum ingrediente/componente de origem animal
    Vegano se a empresa segue os preceitos do veganismo
    Caso tenha insumos/ingredientes de origem animal indicar o que é, leite, ovo, carne (o tipo da carne), etc.

    Projeto 03 – Inclusão pela moda
    Esse creio que estimulará o comércio em âmbito nacional e criará mais postos de emprego bem como um novo nicho de mercado.
    1. Fazer um censo para levantar dados das medidas da população feminina e masculina (largura de ombro, altura, comprimento de braço, quadril etc);

    2. Fazer uma segmentação em 20 tamanhos (1 ao 20 por exemplo);

    3. Exigir que o vestuário, assim como calçados, seja padrão os tamanhos;

    4. Exigir que lojas vendam todos os modelos em todos os tamanhos

    5. Caso as lojas não queiram deverá ser cobrado imposto mais alto por não inclusão e a loja deverá deixar claro na vitrine/site que não trabalha com todos os tamanhos

    6. As lojas plus size trabalharam com os tamanhos 15 a 20

    7. As lojas small size ( ou algum outro nome) trabalharam com tamanhos do 1 ao 5 – criação de novo nicho de mercado.

    Projeto igualdade de gênero no setor público.
    50% das vagas deverão ser para mulheres e 50% para homens em qualquer concurso, para determinação do primeiro a ser chamado será pela nota os demais serão por revezamento (01 homem depois uma mulher), caso num concurso tenha 10 mulheres aprovadas e 50 homens após chamar as 10 poderá ser contratado somente homens.

    Projeto setor publico por amor
    Deverá ser feito uma média de salários e benefícios por escolaridade nos setores de economia mista e publica e o salário por escolaridade e benefícios ser igual independente do órgão e profissão isso estimulará os “concurseiros” a trabalhar onde gostariam e não onde pagam melhor gerando funcionários sem amor pelo setor público no Brasil. Não aplicando a lei a quem já é concursado e caso o salário seja menor aplicar a lei, obvio que não pode-se reduzir nem salário nem beneficio, mas pode-se aumentar de quem recebe menos.

    Projeto responsabilidade técnica
    Todas as profissões deverão ter um profissional graduado.

    Projeto prova
    Para evitar maus profissionais no mercado todos deverão passar por prova semelhante a OAB isso além da melhora da qualidade de serviço iria abrir nichos de mercados de cursinho e renda

    Projeto uma mão lava a outra
    Quem recebe benefícios do governo ser chamado para trabalhar nas eleições (fiep, salario desemprego etc) e para os que o governo financiou o estudo superior ser obrigado a prestar serviço por 01 ano isso iria gerar médicos e professores, bem como demais profissionais na rede publica, logicamente que nos órgãos deveria ter profissionais concursados de carreira 30% ser de recém-formados “pagando” a ajuda do governo. E essas pessoas serem as que trabalham nas eleições!

    Responder

  2. maria T d Trindade

    Parabéns Leonardo,que Deus te dê muita sabedoria do alto.Qual o primeiro passo a tomar para adquirir essa aposentadoria especial?

    Responder

    • Leonardo Mattos

      Olá Maria,
      Muito obrigado pelo apoio. Abraços