Mãe relata, em reunião, caso malsucedido de inclusão de deficiente na rede regular de ensino

E foi informada por Leonardo Mattos de que o passe livre para deficientes de todas as idades pode voltar em fevereiro de 2011

Na reunião dos pais e responsáveis por crianças e jovens deficientes matriculados nas instituições especializadas e o vereador Leonardo Mattos, realizada na Câmara Municipal (14/12), para debater a continuidade desta modalidade educacional em 2011 houve um depoimento inesperado. Pediu a palavra Magali Gomes de Andrade, para relatar um caso malsucedido de inclusão de uma pessoa com deficiência na rede regular de ensino.

Magali, mãe de Gabriel Gomes de Andrade, 22 anos, também presente na reunião, contou que o filho deixou a instituição especializada em que estava matriculado, a Escola Estadual Amaro Neves, na região do Barreiro, por um estabelecimento municipal da rede regular na Vila São José. Gabriel, contudo, não se adaptou, pois a escola não tinha estrutura para atendê-lo: o horário noturno que lhe foi reservado não o estimulou e os profissionais e colegas da escola reclamavam constantemente de sua lentidão e da falta de condição para atendê-lo em sua condição de pessoa com deficiência.

Ela disse que, por várias vezes, procurou a antiga escola do filho em busca do atendimento nas Salas de Recursos, que lhe havia sido prometido por ocasião da inclusão. Sem sucesso, no entanto. Os responsáveis lhe diziam que Gabriel agora era de responsabilidade do Município e não mais do Estado.

Em busca de uma solução para o filho, Magali conseguiu incluí-lo em um programa de atendimento especializado do governo do Estado, mas por pouco tempo. Há sete anos, Gabriel não conta com nenhum tipo de assistência e perdeu o direito ao passe livre (que lhe permitia nível mínimo de inclusão na vida social), já que ultrapassou a idade estabelecida para ter direito ao benefício.

O vereador Leonardo Mattos explicou a Magali que ele e representantes de entidades de defesa de direitos das pessoas com deficiência estão fazendo gestões para que o passe livre venha a ser concedido aos deficientes com idade superior a 21 anos. O vereador disse que sua expectativa é de este direito venha ser restabelecido na reunião do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência prevista para fevereiro do próximo ano.

Uma resposta para “Mãe relata, em reunião, caso malsucedido de inclusão de deficiente na rede regular de ensino”

  1. Vc até hj nos ajudou muito,Leo.Agradecemos e continuamos contando c seu apoio.Estamos temerosos c a publicação da Comissão pelo DOM,visto que aquela mesma comissão já existia e é,encabeçada por Patricia Cunha totalmente contra a escola especial.Abrahão tem outros atendimentos,me preocupa mais aqueles,cujos pais não conseguiram e não podem levar seus filhos a outro lugar.Voltaremos aos primórdios,qdo os deficientes eram presos em casa?
    Contamos c vc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *